"Funnies" de Hobart: Inovações Nos Tanque Que Marcaram o Dia D

Comandantes!

As guerras são conhecidas por exigir rápidas inovações, crescimento e avanços tecnológicos.

Os "Funnies" do major-general britânico Percy Hobart personificam esse espírito. Esses veículos incríveis comandados por Horbart desembarcaram dos navios Aliados com equipamentos especializados para apoiar a invasão bem-sucedida do Dia D.

Caso você não conheça esses veículos, prepare-se para ser surpreendido ao explorarmos os motivos que tornaram estas adaptações únicas de veículos tão impactantes nas praias da Normandia e fora dela.

A Bravura e a Capacidade de Enganar Mudaram o Curso da 2ª GM

Unidades Alemãs | 101ª Divisão Aerotransportada dos EUA | 6ª Divisão Aerotransportada Britânica | 82ª Divisão Aerotransportada dos EUA

Em 06 de Junho de 1944, as forças Aliadas iniciaram a Operação Overlord, a maior operação militar anfíbia da história, na Normandia, França. As tropas desembarcaram em condições climáticas difíceis com inimigos entrincheirados para que tomassem cinco praias importantes. Este objetivo principal foi um sucesso e com isso aconteceu o estabelecimento de uma posição segura na França, criando uma segunda frente contra as forças do Eixo. A Alemanha se rendeu após onze meses de invasão e, com isso, aconteceu o fim da Segunda Guerra Mundial.

Em fase de planejamento desde 1942, a Operação Overlord era um dos segredos mais bem guardados da guerra. Os alemães sabiam que uma invasão aconteceria inevitavelmente. Os Aliados fizeram os alemães acreditarem que o desembarque seria em Calais (200 milhas a nordeste da Normandia) ao posicionarem um "exército fantasma" para enganar a inteligência alemã. Chamada de Operação Fortitude, tanques infláveis, embarcações de desembarque, construções falsas foram posicionados perto da costa para dar aos inimigos a impressão de preparativos da força de desembarque.

Na época, o General George S. Patton que estava desacreditado, também desempenhou um papel vital na campanha de desorientação no comando do Dia D. Temporariamente removido do comando após um incidente de violência realizado por ele contra um soldado, Patton foi afastado do comando, embora ele visitasse constantemente essa área e assumiu o papel de comandante deste "exército fantasma". A inteligência alemã não acreditou que um comandante com o talento de Patton seria afastado por bater um soldado, muito menos que ele não iria desempenhar um papel fundamental na invasão.

Essas e outras estratégias foram usadas nessa campanha de dissuasão contra o Eixo e contribuíram para o sucesso da Operação Overlord.

As "Funnies" de Hobart Não Eram Engraçadas

No entanto, a Normandia não foi o primeiro ataque anfíbio Aliado à costa norte francesa tomada pelos alemães. A "Dieppe Raid" (Operação Jubileu) teve um elevado índice de mortes depois que o porto foi tomado pelas tropas por seis horas em Agosto de 1942. Essa Operação era um teste e foi realizada a leste das zonas de desembarque do Dia D. Os comandantes aliados aprenderam lições valiosas, principalmente que os tanques usados precisariam de modificações para que a operação tivesse sucesso (a maioria dos veículos foi destruída ou capturada).

Eles precisavam do Major General Percy Hobart, um engenheiro militar que comandou a 79ª Divisão Blindada Britânica na Segunda Guerra Mundial. A equipe dele desenvolveu várias modificações para os tanques Aliados, apelidadas de "Funnies" de Hobart para vencer as fortificações costeiras. Os Churchills foram equipados com morteiros e gigantescas passarelas de metal que podiam formar uma rampa ou ponte móvel, enquanto os Shermans foram equipados com um mangual giratório para detonar minas e destruir arame farpado Essas adaptações foram cruciais para derrotar as defesas alemãs na Normandia e contribuíram para o sucesso do desembarque do Dia D para os Aliados.

O Arsenal Nada Convencional

Vamos nos debruçar sobre essas engenhocas que foram desenvolvidas por uma mente genial e foram usadas para o sucesso dos Aliados na guerra. Falamos com o The Tank Museum in Bovington para nos contar mais sobre elas e trazer essas fotografias raras das "Funnies" de Hobart no campo de batalha.

Churchill "Crocodile"

Terror Flamejante: Apresentando talvez a modificação mais famosa do Churchill Mark VII — o lança-chamas "Crocodile". Um reboque blindado alimentou as chamas que podiam atingir um alcance de 80 metros, provando ser um meio eficiente de limpar bunkers, trincheiras e outras fortificações.

Arma Psicológica: Foi usada ativamente pelos soldados Aliados e provou ser uma arma psicológica infernal contra as tropas alemãs agachadas em seus bunkers. Muitos relatos sugerem que eles se renderam assim que viram o Churchill que cuspia fogo rastejando em sua direção. Às vezes, as tripulações passavam um spray com "esguicho úmido" ou "jato úmido" de combustível para alertar os inimigos, dando uma chance para se renderem.

Ganhe três novos veículos Premium de Nível VI com estilos 3D inspirados na Normandia, incluindo o Churchill Crocodile como recompensas base do Passe de Batalha XIV: Dia D!

AVRE

Morteiro HE Aterrorizante: Nesta variação do AVRE (Assault Vehicle Royal Engineers), o canhão principal do Churchill foi substituído por um morteiro Petard de 290mm, capaz de disparar um projétil HE de 40 lb (18 kg) a mais de 100 metros. Assustador para as tripulações, ele teve que ser recarregado externamente, abrindo uma escotilha e deslizando uma bala no tubo de argamassa do casco. Apelidado de “lixeira voadora”, ele teve sucesso na destruição de bunkers de concreto e bloqueios de estradas conforme os Aliados avançavam.

Variações em Variações: Equipamentos especializados poderiam ser adicionados a esses tanques em diversas variações "filhos" do AVRE já adaptado, incluindo a Bobina Churchill AVRE, que é discutida abaixo.

Desenrolador de Tapete Bobbin

Camada do Caminho: Este Churchill AVRE foi adaptado para colocar esteiras de lona reforçada sobre areia fofa e terrenos que de outra forma não poderiam suportar o peso de outros veículos blindados.

Estrada de Lona: Essa variação era equipada com um carretel de lona de 3 metros de largura, reforçado com postes de aço que podia rolar numa estrada improvisada por mais de 100 metros.

Construtores de Pontes

Transportador de Rampa Blindado (Armoured Ramp Carrier - ARK): Um tanque Churchill sem torre foi modificado com rampas extensíveis em cada extremidade para que outros veículos pudessem escalar obstáculos, agindo efetivamente como uma ponte móvel.

Fascines: Fascines são grandes feixes de varas de madeira e galhos entrelaçados que podiam preencher trincheiras e lacunas no solo para a infantaria, e os veículos cruzarem. Eles foram estreados na Primeira Guerra Mundial, sendo reusados novamente 30 anos depois, antes da invasão do Dia D.

Camadas de Ponte: Oficialmente conhecidas como “Ponte de Viga em Caixa Pequena”, essas pontes de 9 metros poderiam atravessar trincheiras, fendas e rios, escalando paredes de até 4,5 metros de altura. Elas eram usadas ​​em conjunto com os Fascines e podiam ser implantadas em 30 segundos.

Double Onion ("Cebola Dupla")

Demolição em Dobro: Duas (ou mais) cargas de demolição foram adicionadas a uma estrutura de metal instalada na frente de um Churchill AVRE. O AVRE foi então conduzido até o alvo, a estrutura foi colocada contra ele, liberada e então detonada pela tripulação a uma distância segura.

Triturador de Concreto: As explosões tinham como objetivo destruir plataformas de concreto, obstáculos de praia e paredões. No entanto, é incerto se as "Cebolas Duplas" foram implantadas durante o Dia D, já que as tripulações não estavam particularmente interessadas em estar perto delas, dadas as preocupações de que as munições recebidas pudessem acidentalmente acionar os explosivos.

Crab

Limpador de Minas: Os veículos "Crab" eram um tanque Sherman equipado com um mangual de minas. Basicamente, um cilindro giratório de correntes pesadas que limpava as minas para que as tropas Aliadas avançassem com segurança.

Lutador Versátil: O canhão de 75 mm também foi retido para que pudesse ser disparado quando o mangual não estivesse em uso. Ele foi afastado do mangual quando em uso, mas pode ser reposicionado e carregado para fornecer suporte adicional à infantaria.

Arado Chifre de Boi: O "Arado Chifre de Boi" era um sistema alternativo que escavava o solo em frente a um tanque Churchill para expor quaisquer minas terrestres.

Você pode ver o Sherman Crab em ação como um aliado controlado por IA em nosso modo PvE Operação Overlord!

Sherman Anfíbio e Outros Veículos Aquáticos

Adaptação Anfíbia: O M4A1 ou M4A4 Sherman nadador, também conhecido como Duplex Drive ou Tanque DD, foi um tanque anfíbio usado em todas as cinco praias no Dia D. Um tanque Sherman foi modificado para apresentar uma tela de flutuação de lona para flutuabilidade com hélices movidas pelo movimento dos trilhos, o sistema Duplex Drive. Ele foi liberado de uma embarcação de desembarque a vários quilômetros da praia. Ele conseguia suportar seu próprio peso na água. Suas telas eram soltas apenas em terra firme para fornecer apoio imediato à infantaria.

O Búfalo LVT (Landing Vehicle Tracked - Veículo de Desembarque com Esteiras): Este era um veículo anfíbio semelhante que também demonstrou uma forma eficiente de transportar tropas, pequenos veículos e suprimentos.

Bulldozers Blindados e Bulldozers Centauro

Projetados para abrir caminho, esses "Funnies" mantinham as praias da invasão limpas de obstáculos e escombros, preenchendo crateras de bombas e valas antitanque.

Blindagem Adicional: Uma Escavadeira Blindada Lagarta D7 convencional foi equipada com metal e blindagem adicionais para proteger o motorista e o motor.

Um Passo a Mais do Resto: Um tanque Centauro também foi desmontado e remodelado para incluir uma lâmina de escavadeira. A máquina bem blindada conseguia acompanhar as formações de tanques e foi usada para eliminar obstáculos nas cidades alemãs nas últimas semanas da guerra.

Holofote de Defesa de Canal

Uma Arma Secreta: Esta variação baseada no M3 Grant foi intencionalmente nomeada errada para mantê-la em segredo. Ao contrário do seu nome, ela não foi projetada para defender canais. Em vez disso, uma torre especialmente modificada possuía um holofote de arco de carbono poderoso que conseguia iluminar as posições inimigas durante ataques noturnos para confundir os defensores.

Luz Artificial Indireta: Embora ela não tenha sido usada no Dia D, foi útil para defender a ponte capturada entre o rio Reno em Remagen dos ataques alemães.


O Alto Custo da Vitória

Apesar do planejamento meticuloso e dos extensos preparativos, nem tudo correu bem no Dia D. Muitos homens e tanques foram perdidos antes mesmo de chegarem à costa ou logo depois, e o ataque inicial viu baixas significativas, além de perdas de equipamento.

Por exemplo, na Praia Omaha, apenas dois dos 29 tanques Duplex Drive liberados no mar conseguirem chegar na costa, deixando claro os desafios severos enfrentados durante os desembarques. As tropas em várias praias encontraram muita resistência e condições adversas, enquanto as unidades aerotransportadas encarregadas de garantir posições-chave no interior, também sofreram muitas baixas. Tivemos perdas significativas:

  • As forças dos EUA na praia de Omaha sofreram aproximadamente 2.000 baixas das 34.250 mobilizadas.
  • As forças canadenses na Praia Juno tiveram 1.204 baixas entre 21.400 soldados.
  • A 101ª Divisão Aerotransportada sofreu 1.240 baixas.
  • A 82ª Divisão Aerotransportada sofreu 1.259 baixas.
  • A 6ª Divisão Aerotransportada Britânica relatou 1.500 vítimas.
  • 2.501 americanos, 2.700 britânicos e 1.074 canadenses foram mortos em 06 de Junho de 1944.

Muitas outras tropas de outras nações (algumas no exílio) participaram da operação e sofreram perdas, incluindo França, Austrália, Polônia, Checoslováquia, Grécia, Países Baixos, Nova Zelândia, Noruega, África do Sul e Rodésia do Sul, apenas citando alguns.

Estes números preocupantes sublinham o custo da operação, que acabou sendo bem sucedida devido à extraordinária bravura e sacrifício das forças Aliadas.

Relembrando o Dia D: Inovação, Sacrifício e Valor

Ao refletirmos sobre as incríveis inovações ​​e os enormes sacrifícios do Dia D, é crucial homenagear a bravura daqueles que fizeram o sacrifício final. O sucesso da invasão Aliada não dependeu apenas do engano estratégico e do planejamento meticuloso, mas também da engenhosidade dos avanços tecnológicos como os Funnies de Hobart.

Venha comemorar conosco os 80 anos deste evento histórico com atividades do Dia D durante o mês de Junho. Teremos transmissões ao vivo, uma temporada especial do Passe de Batalha, um novo modo de jogo PvE e conteúdo exclusivo para homenagear o heroísmo desta data importante.

Dia D: Desembarques Aliados na Normandia

Assista nosso pequeno documentário que foi criado no aniversário de 75 anos do Dia D, contendo mais imagens dos eventos e veículos que moldaram o dia 06 de Junho de 1944.

Legendas traduzidas automaticamente estão disponíveis no menu "Configurações".

Esperamos que você tenha gostado da sua aula de história, comandante!

Conversar no Discord

Fechar