Dia Internacional da Mulher: Conheça as Nossas Tanqueiras!

Queremos comemorar o Dia Internacional da Mulher com as nossas tanqueiras, e este ano decidimos criar um novo evento da comunidade em homenagem as nossas jogadoras! 

Você pode ver o nosso artigo anterior para mais informações: Dia Internacional da Mulher: Compartilhe suas Histórias!

Selecionamos histórias interessantes neste tópico, e queremos compartilhá-las com você.

Confira abaixo as histórias incríveis de nossas tanqueiras. Agradecemos mais uma vez a todos que dedicaram seu tempo em compartilhar suas histórias! 

Boa sorte no campo de batalha!

  • AnArmyofBun
  • beree
  • Deadly_Kitten
  • demonxshinigami
  • KavKouhai
  • Ravyen
  • Seramine

Eu comecei a jogar World of Tanks em Dezembro de 2012. Eu sempre joguei vídeo games como uma forma de escape pra falar a verdade. Eu vi algumas propagandas do jogo e um amigo meu sugeriu para jogarmos juntos já que ele sabia que eu gostava de pilotar tanques no Planetside 1. Eu achei que seria uma boa forma de distração já que minha esposa estava embarcada pela Marinha. O jogo me conquistou. Eu sempre joguei vários MMOs e alguns shooters competitivos, mas algo mais me conquistou. Isso era o que eu precisava e eu me entreguei. Consumindo muita informação manteve minha mente focada. Melhorando minhas habilidades ao máximo. Isso me deu uma sensação de conquista enquanto tudo o que eu podia fazer era esperar.

Mas o que realmente me motivou foi a comunidade que encontrei dentro de World of Tanks. Os amigos, o suporte incrível quando as coisas estavam difíceis. Até hoje, mesmo não jogando muito, eu sempre tenho instalado no meu computador só para jogar quando eu posso ou com amigos. O World of Tanks, de várias formas, me manteve viva durante tempos difíceis. Não apenas pelo foco, mas pelas pessoas que eu amo e conheci por causa do jogo.

Aqui, uma falante do idioma Espanhol! Eu quero aproveitar esta oportunidade para compartilhar minha história sobre World of Tanks.

Eu descobri o jogo em 2012, graças a um grupo de amigos que já conheciam o jogo. Então eu contei ao meu ex sobre o jogo e decidimos jogar juntos. Eu lembro que na época haviam apenas quatro nações disponíveis e eu comecei a jogar pela linha do E5.

No começo eu não gostava muito do jogo, eu só jogava porque eu gostava de ficar com o meu ex e meus amigos, mas eu não conseguia compreender muito o jogo. Então eu parei de jogar

Alguns anos depois, um amigo deste grupo parou de jogar também, eu e meu ex terminamos, e no final restou apenas um amigo e eu do grupo. Jogamos várias partidas, mas continuamos voltando a jogar World of Tanks de tempos em tempos dando pausas, conversando sobre a vida, e tudo mais. Foi durante esta época que eu realmente comecei e jogar o jogo; meu amigo me ajudou a compreender melhor o jogo e suas mecânicas. Depois eu comecei a pesquisar por conta própria para melhorar ainda mais minha gameplay.

Houve uma época que eu e meu amigo nos distanciamos um do outro, mas voltamos a jogar juntos. Minhas melhores memórias são de nós nos divertindo, vendo-o capotar com o EBR, se divertindo enquanto nos ajudamos no campo de batalha e ganhando as partidas graças a isso.

Graças ao World of Tanks eu conheci pessoas maravilhosas e tive experiências incríveis. Também conheci pessoas desagradáveis, mas hoje em dia eu gosto de passar boa parte do meu tempo livre jogando World of Tanks sozinha ou com meu amigo.

Aqui está minha história:

Em 2014, eu estava vendo meu avô, não um veterano de guerra, ele apenas gosta muito de veículos de guerra, e a lógica da guerra, jogando alguns dos jogos dele. Eu fiquei fascinada com os tanques e tudo mais, e então ele me mostrou World of Tanks. Eu queria experimentar, então ele me deixou jogar na conta dele um pouco até que eu decidi criar uma. Em 2016, após jogar por vários meses, eu criei a minha conta. Eu não fiquei muito interessada no jogo como na primeira vez que eu joguei, mas com o passar do tempo, eu comecei a gostar cada vez mais. Por volta de 5,000 batalhas, eu tirei alguns meses de folga devido a alguns problemas pessoais. Depois disso, fui convidada para um clã, onde fiz novos amigos que começaram a minha coleção viciante de tanques com o T26E4 Super Pershing. Desde então, eu acumulei mais de 200 tanques na minha garagem. Meu melhor amigo, que conheci em um servidor aleatório do Discord, que jogo World of Tanks direto com ele, me deu um motivo para continuar jogando e continuar avançando pelas árvores tecnológicas.

Sou uma das pessoas mais jovens que já conheci nesse jogo, e eu acho que comecei no caminho certo em termos de estatísticas. Eu gosto de achar que sou boa.

Eu escolhi ser diferente, e todas as vezes que alguém começa a dar rage, eu geralmente acabo acalmando a situação.

Efeito colateral: Eu sou muda, o que significa que eu não posso mais falar com minha voz desde quando a perdi em um acidente, o que cria momentos interessantes. Como nas batalhas às vezes, em pelotões, eu ativo meu microfone, e respiro nele por nenhum motivo, ou eu uso um aplicativo de TTS no meu celular, e o sarcasmo não é muito preciso, então eu posso falar, eu amo que as artilharias existam, e qualquer pessoa que não me conheça vai achar que eu realmente amo as artilharias.

Eu e meu melhor amigo sempre competimos para ver quem consegue pegar o Ás do tanque primeiro. Um pouco de diversão inofensiva que gostamos de ter.

Quando eu era um bebê fui abandonada na China. Era o destino para que uma senhora viesse me salvar e ser adotada em uma família amorosa nos E.U.A. Pulando para 2013, eu descobri World of Tanks. Ele se tornou meu jogo favorito. Eu jogava até meus olhos não pudessem mais ficar abertos. Eu continuei jogando por causa das conexões que fiz assim como a minha fascinação pela maquinaria dos tanques. O World of Tanks é um jogo especial para mim e continuo jogando porque ele possui uma maneira de criar novas amizades e experiências. Eu pratico Taekwondo, e World of Tanks usa as mesmas coordenações e trabalho em equipe que eu uso no meu treinamento diário.

Com minhas experiências de vida e interesse em tanques, o World of Tanks é especial para mim. Eu posso pilotar tanques, muitos deles sendo relíquias da Segunda Guerra que eu nunca presenciei em pessoa, ainda. O World of Tanks é minha forma de escape e onde eu me divirto com meus colegas de clã e posso conhecê-los em pessoa. Eu nunca teria conhecido tantas pessoas sem o World of Tanks também já que me divirto muito com ele e seus modos de jogo. O World of Tanks também me ajudou a sair da minha zona de conforto. Eu comecei a fazer stream do jogo e ainda faço porque no final das contas é o jogo que mais gosto de jogar.

Então, essa é a minha história até agora...é tudo culpa dos meus filhos!

Voltando para 2014. Nessa época meu único uso do computador era pra trabalho. A ideia de usar um computador para jogar era do tipo "você só pode estar brincando." Meus filhos eram gamers e o jogo que mais gostavam na época era World of Tanks, ambos estavam em Clãs, jogando as Guerras de Clãs e tudo mais, no TeamSpeak com amigos. Eu, professora de educação escolar em casa, falando a clássica frase "você deveria estar brincando lá fora e não na frente desse computador o dia inteiro." Não esqueça de adicionar a voz irritada para o efeito completo, ok? 

Então... meus filhos em chamaram para ver o jogo. E como você pode criticar algo se você não sabe nada a respeito. Pausa. Eu estava ensinando-os a pensarem por conta própria e não iria cair na minha própria armadilha. Então eu fiz o que toda mãe de respeito faria - no Natal eu baixei o jogo em segredo com algumas pausas quando ouvia alguns gritos dizendo que o jogo estava lagando e eu estava baixando um filme ou algo do tipo. Obrigado Wargaming por ajudar uma noob completa a aprender o que significa "WASD"!

O World of Tanks foi meu primeiro jogo. Eu não tinha a menor NOÇÃO do jogo! Depois de algumas semanas, eu tive que sair do armário e pedir ajuda aos meus filhos. Eles ajudaram. Eles introduziram ao meu primeiro Clã (gerenciado por outra tanqueira, Femm) e continuei. Desde então, já participei de vários Clãs, tive todos os tipos de funções, aprendi muito desde então, e conheci muitas pessoas incríveis. Minhas estatísticas não são as melhores - ainda tenho dificuldade com a estratégia de "correr pelo campo de batalha, morrer e escolher outro tanque". Acredite em mim - ela não funciona! Nós evoluímos de "o jantar está pronto, desçam" para "desculpe, você vai ter que procurar a sua própria comida, estou jogando Guerra de Clãs." As crianças já estão carecas de saber isso.

O World of Tanks ainda é o meu favorito. Sim, eu adoro. Mas eu também já dei uma olhada em outros jogos. Eu faço stream de vez em quando no Facebook e ainda me espanto que existam pessoas que assistam!

Eu adoraria ser uma jogadora de tanque leve - esses mosquitinhos conseguem ser super irritantes - mas eu sou inteligente o suficiente para saber que minha coordenação entre olhos-mãos não é mais rápida como antes, a não ser que eu descubra como resetar algumas décadas da vida real. Você pode me encontrar no campo de batalha com meu querido caça-tanques ou com um pesado grudado na sua cara.  

Então, o que o World of Tanks significa para mim - ele expandiu meus horizontes, me apresentou pessoas incríveis que eu me comunico pelo TeamSpeak ou Discord, fornecendo uma linguagem comum com os gamers (eu ainda dou boas risadas quando converso com alguns adolescentes e vejo eles se surpreenderem dizendo "meu deus, ela é uma gamer, ela sabe jogar"), e eu ainda estou aprendendo."  

Em 2012, meu marido e um colega tabalhavam no horário noturno. Quando eles voltavam do trabalho de manhã, eles passavam algumas horas online jogando World of Tanks, fazendo pelotão juntos por algumas batalhas antes do meu marido ir dormir. Por volta da metade do ano, o colega dele se mudou para a Flórida.

Então meu marido começou a pedir para eu jogar este jogo com ele. "Amor, dá uma chance, eu acho que você vai gostar." Minha resposta era sempre, "Sério? Explodir tanques, eu acho que não." Não era a minha praia.

Finalmente, eu atendi ao pedido dele e disse que iria experimentar, só algumas batalhas. Mal eu sabia que tudo o que eu precisava era jogar apenas algumas batalhas. Criar uma conta, configurar a Tripulação e os tanques, era realmente um investimento de tempo. As primeiras batalhas não me impressionaram. Eu era a boba correndo pelo mapa, sendo destruída dentro de 30 segundos. Meu marido não deu importância, foi dormir, e eu continuei jogando. Eu não entendia o jogo. Mas depois de 10 batalhas, eu encontrei um jogador com esse nome que realmente se destacava. Ele carregou o time inteiro e ganhou a partida pra gente, eu mandei mensagem a ele depois da batalha e perguntei se eu poderia fazer pelotão com ele para aprender algumas coisas. Depois disso, ouvi os conselhos dele e ganhei mais batalhas. Eu parei de YOLAR também.

Não precisa nem dizer, que depois de nove anos, eu ainda estou jogando World of Tanks. Sou viciada? Eu tenho 54,382 batalhas. Nããão. Eu tenho bons amigos, aprendi algumas coisas de ótimos jogadores, entrei em alguns Clãs e me diverti muito com o jogo. O melhor de tudo, minha taxa de vitórias é melhor do que a do meu marido. Meu interesse pessoal no jogo é jogar com tanques leves e artilharia.

Então, sim, eu ainda "estou experimentando"! É um bom alívio de stress quando preciso, resumindo, o jogo me desafia; e o mais surpreendente de tudo, eu tenho 61 anos, e eu gosto do jogo.

Bem, eu e meu marido nos conhecemos jogando um jogo online, e todos os nossos amigos e eventos sociais vem de grupos de jogos de tabuleiro, por isso somos uma família de gamers desde o primeiro dia.

Mas eu realmente não jogava vídeo games (eles me dão enjoo de movimento). Quando éramos recém-casados ele jogava muito Battlefield e dizia que o sonho dele era que eu pilotasse um helicóptero e ele controlasse a arma. Eu queria jogar um jogo que eu gostasse para que pudéssemos fazer isso juntos. Ele começou a jogar World of Tanks e eu assistia ele de vez em quando. Eu aprendi a ler o placar e a entender o que estava acontece para saber quando eu podia interrompê-lo. Esse jogo não me incomodava como outros jogos 3D. Nós tínhamos um segundo computador, então eu comecei a jogar escondido dele, mas na verdade, eu não conseguia passar do Campo de Treinamentos, eu era muito ruim! Eu deixei o jogo de lado. 

Então o COVID chegou, e eu fiquei entediada de assistir Netflix e decidi tentar de novo. Ele me encorajou a jogar batalhas de verdade ao invés de ficar presa no Campo de Treinamento. O Clã dele era muito amigável e eles jogavam com níveis baixos e me ajudaram com várias dicas ("Não se mova na frente do canhão do inimigo!"). Eu pratiquei muito, mesmo quando ele não estava jogando para me tornar útil ao invés de atrapalhar quando fossemos jogar juntos. Eu usava a câmera Post-mortem para aprender boas posições para as próximas vezes.

Bem, hoje em dia temos nossa rotina. É provável que eu seja a última a desligar o computador tanto quanto ele porque estou tentando finalizar uma missão. Eu sempre converso com ele sobre meus planos para meus tripulantes dos pesados Soviéticos e qual ordem eu deveria cumprir para o meu Operador de Rádio extra ir para o KV-2 ou qualquer outro tanque que tenha para escolher das recompensas do Caçador de Aço.

Nossos computadores ficam lado a lado agora. Não é exatamente como o sonho que ele tinha do helicóptero, mas eu gosto de taques leves e médios móveis e ele gosta de caça-tanques, então é bem parecido!

Fechar